Cattalini Terminais Marítimos recebe certificação OEA da Receita Federal ¿Encontraste un error? Avísanos

Por Redacção PortalPortuario.cl

@PortalPortuario


A Cattalini Terminais Marítimos foi certificada pela Receita Federal como Operador Econômico Autorizado (OEA), o que confere à empresa o reconhecimento como um operador de baixo risco e confiável por prazo indeterminado.

A certificação é voluntária e a Cattalini escolheu participar do rigoroso processo para disponibilizar aos seus clientes benefícios oferecidos pela Aduana Brasileira, como menos burocracia, maior agilidade e previsibilidade de suas operações no comércio exterior. Esta conquista foi alcançada após a empresa ter cumprido todos os requisitos, reunir documentos e realizar auditorias internas e externas com o envolvimento de todos os setores.

O OEA é um programa de âmbito internacional, instituído em consonância com as necessidades de segurança e controle aduaneiros do Brasil. A Cattalini passará por auditorias dos fiscais da RF constantemente para manter sua certificação.

Segundo Fábio Martins Jorge, Controller da Cattalini, ser reconhecido como OEA representa o compromisso da empresa em manter a qualidade de seus serviços, a segurança de suas operações e a competitividade aos seus clientes.

“Esta chancela da Receita Federal é mais um diferencial estratégico que oferecemos e que garante maior agilidade no desembaraço de documentos para importação ou exportação de mercadorias. Há, inclusive, a possibilidade da carga ser liberada ainda no navio, antes de ser desembarcada, caso o cliente também seja um OEA”, declarou.

No Porto de Paranaguá, a Cattalini Terminais Marítimos é o único terminal de graneis líquidos reconhecido como OEA. Além desta certificação emitida pela Receita Federal, a empresa portuária mantém as certificações ISO 45001 (Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional), ISO 14001 (Sistema de Gestão Ambiental), ISO 9001 (Sistema de Gestão da Qualidade) e é auditada pelo CDI-T (Chemical Distribution Institute -Terminals).


 

Compartir





ESPECIAL COVID-19
Ver más noticias