TCP é pioneira no uso de redes móveis privadas em portos ¿Encontraste un error? Avísanos

Por Redacção PortalPortuario.cl

@PortalPortuario


O primeiro semestre de 2022 foi marcado por uma grande inovação no maior Terminal de Contêineres da América do Sul. A TCP – empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá – tornou-se o primeiro porto no Brasil licenciado a utilizar uma rede wireless privada LTE.

A empresa investiu 1 milhão de reais na tecnologia que beneficiará os clientes com mais segurança, menos risco de danos e melhor atendimento à carga. Com o investimento, a empresa buscou estabelecer um sistema produtivo de alta disponibilidade para suportar sua operação de missão crítica. A tecnologia LTE (Long Term Evolution – em português, “Evolução a Longo Prazo”) foi implementada adicionalmente à rede Wi-Fi e a TCP manterá ambas em produção para maior disponibilidade operacional.

A tecnologia LTE é a mesma utilizada nas redes celulares das operadoras, oferecendo alta velocidade, baixa latência e a mobilidade necessária à operação do Terminal. Trata-se de uma rede privada com toda a capacidade dedicada exclusivamente à operação da TCP, que desenvolverá apps mais inteligentes de produção, enriquecendo a qualidade do serviço prestado aos clientes. Três estações rádio base da Sunwave foram instaladas pela Trópico no terminal no 1º trimestre de 2022.

“O projeto LTE faz parte do plano de arquitetura de alta disponibilidade da infraestrutura, sendo necessário para atender o grande volume de movimentações que o terminal realiza, atualmente superior a 1 milhão de TEUs, o que caracteriza a TCP como um terminal internacional de grande escala. Nosso objetivo é fazer com que a TCP ofereça o melhor e mais tecnológico sistema de contêineres da indústria”, afirma Walter Maria Júnior, Gerente de TI do Terminal de Contêineres de Paranaguá.

Os equipamentos da Sunwave foram fornecidos e implantados pela Trópico e operam em banda de 2,3 GHz, licenciada pela ANATEL para a TCP no mês de maio. “Além de combinar cobertura apropriada para as dimensões do Terminal com grande capacidade de transmissão de dados, essa frequência agora é de uso exclusivo da TCP na região do Porto, garantindo que não haverá interferência de outros sistemas”, complementa Paulo Cabestré, Presidente da Trópico.

A tecnologia LTE permite tráfego de dados em velocidades superiores e maior eficiência de espectro, ou seja, mais dispositivos conectados sem prejudicar a rede. A vantagem que oferece em Portos é uma rede wireless mais rápida e estável, com velocidade de navegação próxima aos 100 Mb/s de download e 50 Mb/s de upload.

Possui também uma melhor cobertura, com ausência de áreas de sombra. Esta tecnologia é a base que permite os primeiros passos a caminho da internet 5G na TCP, rede que estreou em julho no Brasil, e será instalada futuramente no terminal. A LTE é padronizada globalmente, sendo possível o uso em 2,3 GHz, frequência que foi destinada pela ANATEL para redes de banda larga móveis privadas, garantindo a infraestrutura flexível para apoiar inovações mais inteligentes.

Em relação à segurança, a rede LTE permite o monitoramento de sensores e equipamentos, acesso por meio de reconhecimento facial, análises de áudio, suporte a sistemas de comunicação veicular e alertas, além de proporcionar comunicação de emergência. “Por ser uma rede móvel privada, a cibersegurança é garantida por nossa equipe de TI. Garantir a segurança nos processos é fundamental à TCP. A nova tecnologia agrega diversos benefícios, principalmente na produtividade e confiabilidade dos sistemas”, explica Walter.


Compartir




Ver mais conteúdos