Brasil: Porto de Vitória reporta crescimento de atracações no terceiro trimestre ¿Encontraste un error? Avísanos

Por Redacção PortalPortuario.cl

@PortalPortuario


Após um primeiro semestre difícil para os portos do país devido à pandemia da Covid-19, a economia começa a dar mostras de aquecimento. No Porto de Vitória, por exemplo, o segundo semestre já vem registrando uma tendência de crescimento nas atracações de navios. De janeiro a junho, 289 embarcações acessaram o Canal de Vitória, enquanto no terceiro trimestre (julho, agosto e setembro) já bateu 184 navios.

De junho a setembro foram 287 atracações, um crescimento de 54,3% em comparação aos cinco primeiros meses de 2020, e bandeiras de 34 países, como Panamá (36 navios) e Libéria (22), além de Brasil (90 – navegação de cabotagem). Os principais produtos movimentados foram granéis sólidos e líquidos, fertilizantes e contêineres.

De acordo com o coordenador de Planejamento e Desenvolvimento da CODESA, Leonardo Bianchi, a entrada em operação do novo Cais de Atalaia (berço 207) permitirá ao Porto de Vitória receber um número maior de embarcações sem a formação de filas, tornando-o mais competitivo. “O Porto de Vitória atenderá uma quantidade maior de navios, das mais variadas nacionalidades, sem a redução do nível de serviço. Nossa expectativa é de um crescimento no total de atracações sem a formação de filas, um indicativo de aumento de competitividade frente ao setor portuário”, sublinha.

Uma bandeira marítima é concebida, especialmente, para ser usada em embarcações e, por extensão, nos portos e outras instalações costeiras. Existem diversas regulamentações que regem o seu uso. Geralmente, hasteadas na popa do navio, identificam a origem da embarcação. Conforme as funções, existem vários tipos de bandeiras marítimas: pavilhões nacionais, jaques, flâmulas, bandeiras de sinalização e distintivos. Devido à necessidade de sinalização, o uso de bandeiras desenvolveu-se mais rapidamente no mar do que em terra. A maioria das bandeiras dos países teve origem nas bandeiras marítimas.


Compartir





ESPECIAL COVID-19
Ver más noticias
Translate »